Raquel Bazetto Consultoria de Imagem e Estilo

Raquel Bazetto

Cintos: modo de usar

Eu resolvi trazer este tema para o blog depois de me deparar com duas situações recorrentes durante os processos de Consultoria de Imagem e Estilo: 1. a falta de cinto; 2. o excesso de cinto. Em ambos os casos o motivo era o mesmo: “como usar?”

Foi-se o tempo em que os cintos eram adquiridos apenas por sua funcionalidade. Hoje em dia a escolha tem muitas variáveis.

O cinto é um acessório que cria interesse ao look e apresenta efeito imediato à silhueta. Se a sua escolha tende a ser pautada pela harmonia entre a peça e seu tipo físico, ótimo! Mas não se prenda ao discurso equivocado que diz que determinados tipos de corpos só podem usar isso ou aquilo.

O corpo ideal é o que você tem! E o cinto, como tudo aquilo que vestimos, traz mensagens por meio de seus elementos de design. Saiba quais são esses elementos e use de acordo com a sua intenção.

Os tipos mais comuns de cintos

Finos

São delicados e, geralmente, bem femininos. Esse tipo de cinto é ótimo para ser usado na cintura, ele marca e não cria volume.

Costuma favorecer quem tem a silhueta tipo ampulheta ou triângulo. Por ser fininho, esse modelo também não passa a sensação de corte, é um artifício bem vindo para quem tem estatura mais baixa e não quer parecer menor.

Largos

Os cintos largos são os preferidos das minhas clientes. Obviamente, ele chama mais atenção e se for de uma cor contrastante dá a sensação de silhueta partida.

Esse efeito de corte pode ser ainda mais evidente em pessoas baixinhas. No entanto, existem maneiras de evitar ou reduzir os danos, caso queira. Opte por cores próximas entre cintos e roupas. Cintos transparentes e fivelas forradas também são boas opções.

E para provar que nada aqui é proibido, trago o exemplo de Miroslava Dumasempre ela – com seus 1,55 m de altura, cinto largo, comprimento midi, pés no chão, muito estilo e beleza.

cinto • 6 cinto largo mira duma

Mira (já me considero íntima) foi certeira ao escolher o cinto largo de fivela forrada na mesma cor da roupa. Note que o cinto está bem acima da cintura, dando a ilusão de pernas mais compridas. Se tivesse prendido o cabelo num coque alto ficaria ainda melhor, se é que isso é possível.

Coloridos

O cinto colorido pode ser a alegria que faltava no look de cores neutras.

cinto • 8 cinto colorido amarelo

Ele também pode ser o ponto de partida para quem deseja coordenar as cores, mas ainda não se sente segura para um color blocking de peso. É super possível criar combinações de cores entre os cintos e roupas, cintos e os sapatos e cintos e brincos, já que a distância entre esses acessórios não atrapalha.

Tressê

Esse modelo trançado é um clássico. O tressê vem em todas as larguras e traz o bônus de a fivela se encaixar por toda a trama, assim não precisamos nos preocupar com a medida e quantidade de furinhos. Se ele for fino e muito comprido, pode ser arrematado com um nózinho.

É um modelo excelente para acrescentar textura aos looks lisos. Fica lindo com vestidos longos e fluidos.

Os cintos moderninhos

Animal print

Confesso que para mim ele entra na categoria de básicos, mas talvez a maioria das pessoas não pense assim, por isso ele está aqui.

Assim como o colorido, ele funciona como ponto focal e é uma maneira discreta de aderir a esse tipo de estampa sem ousar demais, principalmente os finos e médios.

Super fivelas

Ostentando o monograma, geométricas, com pedras, em formato de coração, podem até ser duplas, aqui as fivelas são o destaque.

cinto • 22 cinto super fivela monograma

Os cintos com super fivelas são excelentes para os dias de jeans e camiseta. Se a peça de roupa em questão possui passador, é melhor que o cinto tenha largura compatível para passar por eles tranquilamente.

Por uma questão de proporção, eu sugiro que quanto maior for a fivela mais largo seja o cinto.

Metálicos e Correntes 

Se o cinto de metal fica incrível até em eventos de gala, imagine o que ele pode fazer com o nosso monocromático? Sério, o cinto tipo placa de metal é moderno e MUITO chique.

Ele transforma o look básico em roupa de festa. Os fininhos ficam bem na cintura, já os médios e largos ficam bem na cintura e no quadril. Cuidado apenas com a escolha de outros acessórios, já que ele sozinho chama bastante atenção.

Os cintos de corrente já foram hit em outras décadas e quando voltaram forte nas passarelas internacionais, em 2018, muita gente disse que era uma tendência passageira, e olha as correntes aí por todo os cantos.

O fato é que esse tipo de cinto acrescenta uma dose de modernidade ao look. Dos mais simples aos mais elaborados, sozinho ou combinado com outros, com pingentes, medalhas, tem para todos os gostos.

Olha como o cinto de corrente deixou ainda mais elegante a camisa branca, com jeans e sapatilha.

Os cintos ousados

Como eu disse no início, os cintos não são apenas acessórios funcionais. Neste tópico nenhum modelo tem a intenção de segurar as calças, eles são os protagonistas na produção.

Corset ou wide belt

É um cintão mesmo! São largos e enormes, dão destaque a região e não há como desviar a atenção deles.

A versão de tecido é confortável. Funciona com camisetas, camisas leves e vestidos.

Já os modelos estruturados ficam ótimos quando usados por cima de casacos e sobretudos. E adaptando para a realidade do clima brasileiro, com chemises, peças utilitárias e tecidos de tricoline.

Por favor, não confunda esses cintos com o símbolo de opressão feminina, usado antes por obrigação, com objetivo de controlar nossos movimentos e modificar nossos corpos, causando sofrimento e danos físicos.

Arnês

Um modelo esquisitão ousado, pouco conhecido e que tem uma única função: c-a-u-s-a-r!

Para encerrar, eu trouxe uma demanda minha e não de clientes. Há tempos eu procurava um modelo tipo arnês. Estava cogitando criar uma peça e ir em busca de algum artesão que pudesse fazer sob encomenda, quando encontrei esse modelo de couro na Zara durante uma noite de insônia. É claro que eu entendi como um sinal divino e comprei!

Brincadeiras a parte, o cinto tipo arnês lembra um cinto de segurança.

É sempre usado no tronco e possui alças que lembram um suspensório. O arnês não dialoga muito bem com tecidos pesados, mas conversa que é uma beleza com vestidos justos, camisas, blazer acinturados e malhas finas.

Pout-Pourri dos cintos 

  • Experimente usar cintos com blazer, cardigans, kimonos ou prendendo o echarpe.
  • As fivelas grandes sempre vão atrair a atenção para o centro do corpo.
  • Cinto não precisa combinar com sapatos e bolsas.
  • Cinto largo usado muito acima da cintura pode aumentar visualmente o tamanho dos seios.
  • Fivelas metálicas e colares longos com pingente podem disputar a atenção da mesma região.
  • Para efeito visual de tronco mais longo, use o cinto na mesma cor que a parte de cima.
  • Para parecer que as pernas são mais compridas, use o cinto na mesma cor que a parte de baixo.

Você também acha que além de funcionais, os cintos dão acabamento e transformam a cara do look?

Um beijo e até a próxima.

Gostou? Compartilhe agora:

Imagem de Serviço Consultoria de Imagem e Estilo. Raquel Bazetto Consultoria de Imagem e Estilo.

Raquel Bazetto

é Consultora de Imagem e Estilo formada pela Dresscode® com Silvana Bianchini, pioneira na consultoria de imagem no Brasil. É especialista em Estilo Pessoal e uso de acessórios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vou Falar Com a Raquel

Ao clicar em INICIAR CONVERSA, você será levada para o aplicativo WhatsApp. Caso não tenha este app instalado, retorne e faça o contato pelo formulário que existe no site.

Este site utiliza cookies que possibilitam a identificação de usuários. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.